terça-feira, 28 de junho de 2011

Os vinhos europeus são superiores?

Vira e mexe esta é uma discussão que vemos acontecer por ai no mundo do vinho. De um lado, os defensores do velho mundo e seus vinhos normalmente mais elegantes, contidos e deixando transparecer mais as nuances da fruta e do outro lado os chamados vinhos do novo mundo, que normalmente apresentam aromas mais exuberantes, mais potentes em álcool e com um uso mais carregado de madeira muitas vezes sobrepujando a fruta. É claro que não podemos generalizar e separar o vinho nestes grupos mas invariavelmente acaloradas discussões saem deste balaio. E mais uma vez Matt Kramer da Wine Spectator nos brinda com um artigo brilhante sobre o assunto. Estou virando fã deste cara, pois o mesmo sempre escreve de maneira instigante sobre os assuntos que mais me interessam. Vamos a seu novo texto:

Os vinhos europeus são superiores? 

Esta questão não respondida sempre se esconde. É verdade? Devemos nos preocupar?

SALZBURG, Áustria - Enquanto me encontrava sentado em um café nesta  famosa cidade cosmopolita, bebendo um agradável vinho tinto austríaco (um Zweigelt, se você deseja saber), eu não pude deixar de refletir sobre uma questão que tem atormentado os americanos amantes do vinho  por décadas: os vinhos europeus são superiores?

Agora, antes de ficar todo irritado e com o peito cheio de orgulho nacional, permitam-me destacar que há 30 anos esta pergunta não era um pergunta de qualquer maneira. Mesmo a maioria dos produtores de vinho da Califórnia na década de 1970 concordavam que os vinhos europeus eram superiores comparados com os seus próprios esforços incipientes.

Lembro-me do recente Myron Nightingale, que era enólogo da Beringer Vineyards, bem como ex-presidente da Sociedade Americana de Enologia e Viticultura e um doce de cara também, reclamando sobre os preços cada vez mais elevados dos vinhos da Califórnia. "Se eu vou gastar 50 dólares em um vinho, que seja em um vinho europeu!" ele me disse.

Hoje, naturalmente, este tipo de aposta não é mais valida. Isso não é notícia. Mas eu não acho que estou sozinho entre os americanos (ou entre os australianos, neozelandeses, chilenos ou argentinos neste assunto) que viajaram para a Europa e descobriram-se encantados mais uma vez pela profunda cultura européia do vinhdo. Afinal, é a Europa que deu  a todos nós não apenas vinhas, mas também um vocabulário ("terroir", alguém?) e uma variedade de vinhos de referência que ainda estão por ai nos dias de hoje. De crédito onde é devido e estamos quites.

No entanto, a questão de saber se os vinhos europeus permanecem superiores ainda se esconde entre os amantes do vinho, mesmo aqueles cuja fidelidade está firmemente ligado à sua produção local, seja ele da Califórnia, da Austrália, do Chile, não importa. Em todos os lugares, há sempre a questão incômoda: "Não conseguimos melhorar?"

Então, enquanto eu me sentei naquele café em Salzburg, comecei a imaginar categorias possíveis, as melhores para se medir, como um fã de beisebol pesando os méritos individuais de uma equipe campeã em comparação com outras, se os vinhos europeus permanecem superiores. E se sim, onde eles se sobressaem? E se não, onde eles deixam a desejar? Por exemplo:
 
Variedade. Esta foi a primeira categoria que me veio à mente, mesmo porque a resposta esta tão facilmente à mão: os vinhos europeus são muito superiores quando se trata da enorme variedade. Como não poderia ser? Afinal, a Europa existe no jogo do vinho há milhares de anos. Eles desenvolveram um número incontavel de cepas Vitis vinifera. Eles tiveram igualmente inúmeras culturas altamente localizadas, que por sua vez criaram vinhos muito peculiares. Por exemplo, a Itália sozinha supera o resto do mundo combinado quando se trata de variedades de uva. Se é variedade de vinhos que você procura, você não pode bater a Europa.
 
Originalidade. Agora, aqui você acha que a Europa seria novamente o vencedor com um pé nas costas. Não tão rápido. Verdade, se levarmos apenas em conta os números absolutos, os vinhos europeus ganhariam em originalidade só por causa da variedade (veja acima). Mas se você permitir uma desvantagem, eles fazem isso no golfe, então porque não vinho? Você vai ver que os candidatos não-europeus estão definitivamente no jogo quando se trata de originalidade.

Na Austrália, por exemplo, você tem shirazes totalmente originais, Rieslings secos e Semillons, para citar apenas três. A Nova Zelândia veio com um Sauvignon Blanc que tomou o mundo pela tempestade com sua, você adivinhou, originalidade. Os Malbecs da Argentina são como nenhum outro em qualquer lugar. Comparados com os de Argentina, Malbecs franceses tomam um distante segundo lugar.

A Califórnia por sua vez também tem uma enorme quantidade de originais, começando com a Zinfandel e depois ampliando para uma gama de Cabernet Sauvignon que têm sido consistentemente, mesmo que de maneira contraditória, considerados indistinguíveis, até mesmo superiores, ao melhor de Bordeaux. E hoje, por mais improvável que isto possa parecer, a Califórnia agora entrega com profunda originalidade Pinot Noir de classe mundial. Vinte anos atrás ninguém, e certamente viticultores de fora da Califórnia, teria pensado que tal afirmação seria possível ou mesmo plausível contra a glória de Borgonha. No entanto, hoje é um fato. Ponto final. Idem devo observar para os  Syrah da Califórnia  em comparação com o benchmark original do Rhone.

A lista pode ser estendida para muitos outros locais (Washington, Oregon, Ontário, Colúmbia Britânica, Chile), mas você entendeu o cenário proposto.

Sim, os vinhos europeus ganham em originalidade graças à sua vantagem em enorme variedade. Mas a diferença não é tão grande quanto os "eurocentricos" possam imaginar.
Tecnologia de ponta. Este é o lugar onde a Califórnia e a Austrália simplesmente esmagam a concorrência europeia. Enquanto viticultores europeus de hoje são quase pródigos quando se trata de competência técnica, as tradições seculares da Europa  têm sido um empecilho para o emprego de tecnologia de ponta até muito recentemente.
Muitas das inovações técnicas agora são consideradas essenciais ou desejáveis para a boa vinificação em todos os lugares, tais como temperatura controlada, tanques de aço inoxidável e de irrigação por gotejamento, foram  utliizadas em primeira mão na Califórnia e na Austrália ou demonstradas em maior escala nos dois lugares. Da mesma forma que dispositivos de maior tecnologia como máquinas de osmose reversa, cones giratórios e concentradores a vácuo foram similarmente ou nascidos ou utilizados primeiramente em países não-europeus.

Até mesmo o emprego generalizado de pequenas barricas novas de carvalho, que são indiscutivelmente européias, tomou um grande baque por causa da Califórnia. Antes da década de 1980, produtores de vinho franceses raramente, e a contragosto, comprovam barricas novas de carvalho. Produtores de vinho italiano nunca as usaram em seus vinhos. Angelo Gaja abriu o caminho em Barbaresco e tem repetidamente dito que foi a Califórnia, e não a França, que inspirou o uso de barricas novas de carvalho francês.

Até a década de 1990, apenas a Alemanha dentre os países vitivinicultores europeus estava na vanguarda tecnológica, graças a proficiência do alemão com tecnologias como sistemas de filtragem, linhas de engarrafamento, centrífugas e similares.

Ainda hoje, existe a falta de tecnologia em certas partes da Europa. O Sul da Itália, por exemplo, só recentemente melhorou o seu jogo comparado com os produtores mais progressistas do norte. Grécia e Espanha são recém chegadas no uso generalizado de tecnologia na sua produção. E eu recentemente participei de uma comissão julgadora onde um número alarmante de vinhos tintos da Hungria provaram ser tecnicamente inadequados.

Finesse. Esta é uma categoria bastante pessoal, tanto no sentido de que é difícil, talvez impossível, de provar finesse, bem como no sentido de que é um atributo que eu valorizo ​​de forma desproporcional.

Os vinhos europeus possuem mais sutileza? Sim, eles possuem. Não universalmente, é claro. E não em todos os lugares, incluindo lugares que antes eram elogiados pelo que de muita qualidade , como Bordeaux. Muitos tintos modernos de Bordeaux são agora tão irregulares e flácidos como compradores de sábado no shopping.
No jogo de tabuleiro Ouija de escolher um vinho (para qual lado sua mão vai?), acho que quando eu escolher um vinho europeu, é porque eu estou procurando finesse. Por exemplo, eu amo Pinot Noirs californianos e os tenho elogiado constantemente. Mas os tintos da Borgonha coletivamente ainda ganham em finesse (os Pinot Noirs de Oregon admiravelmente vem em segundo, de qualquer maneira).

Finesse é um negócio complicado, eu garanto. Às vezes é uma função de leveza pura (eu amo os tintos da Áustria por causa deste elemento); às vezes é uma questão de acidez aparente. Grandes vinhos não importa de onde vêm, geralmente lhes falta finesse. Não me lembro da última vez que celebrei um italiano Amarone della Valpolicella Recioto por causa de sua finesse.
Vocabulário. O trabalho de minha vida é escrever, então você vai ter que me perdoar por criar esta categoria. Mas eu acredito profundamente que não há tal coisa como isto que os acadêmicos chamam de "determinismo lingüístico", ou seja, que molda a linguagem do pensamento. Citar uma coisa é torná-lo real. Palavras realmente importam.
Até recentemente, o vocabulário de um bom vinho era exclusivamente europeu, mais especificamente francês. (A língua da cerveja é o alemão, da música o italiano, ect). Vinte anos atrás eu teria declarado sem um momento de hesitação que os vinhos europeus tiveram um bloqueio no vocabulário do vinho fino.
Hoje, eu declararia um empate. Imperceptívelmente, ou mesmo surpreendente, o poder do vocabulário cada vez mais tem se afastado da Europa. Em parte, isso reflete o domínio do Inglês, entre pessoas educadas em quase toda parte do mundo. (Um amigo austríaco que viaja pelo mundo me disse com naturalidade, "Alemão agora é apenas um dialeto, em comparação com Inglês.").

Mas não é apenas uma questão de escolha de idioma. A maior parte da discussão de um bom vinho é hoje expressa em Inglês, em parte, porque agora é a língua universal da ciência (anteriormente era alemão). Mas também porque a moda agora é em grande parte guiada para o inglês graças a filmes, música e empresas internacionais de mídia.

Acima de tudo, muitas das mudanças no vinho hoje, tanto para melhor como para pior, ou são gerados em lugares como os Estados Unidos ou na Austrália ou são amplificadas pelo poder de marketing dessas culturas. Hoje, o vocabulário de um bom vinho não é mais dominado pela Europa.

Assim  os vinhos europeus são superiores? Você acha que eles ganham em todas as categorias citadas acima? Há ainda outros elementos que você consideraria? O que você procura, e acima de tudo, por quê?

Nenhum comentário:

Postar um comentário