quinta-feira, 15 de maio de 2014

É oficial: Estados Unidos é o país que mais consome vinhos no mundo!

Pelo menos é o que diz um recente artigo postado no website da revista Wine Spectator. Ainda segundo este artigo, o consumo de vinho nos Estados Unidos continuou a aumentar em 2013 à medida que mais americanos desenvolveram o gosto por vinho, enquanto a França, a Itália e até mesmo a China viram seus números de consumo baixarem. Os americanos consumiram 329 milhões de caixas de vinhos em 2013- um aumento de 1 por cento ao longo de 2012, e 18 por cento, ou 51 milhões de caixas de vinhos, em relação a 2005, levando os EUA agora ao topo do consumo de vinho do mundo em volume, de acordo com dados da Impact Databank.


Algumas projeções nos últimos anos colocaram os EUA no caminho certo para passar a França, com base no crescimento anual constante do consumo de vinho por lá, juntamente com o declínio da sede de vinho na maioria dos países europeus. Enquanto uma nova geração de americanos está abraçando vinho, alimentando especialmente o forte crescimento em segmentos como o vinho importado, vinho doce, vinho espumante e vinho rosé seco, os seus jovens colegas em culturas tradicionais do vinho como a França e a Itália estão menos entusiasmados.

Essa mudança geracional e uma economia em dificuldades, na maioria dos mercados da União Européia nos últimos anos levou a quedas constantes na Europa. O consumo francês caiu 7 por cento em 2013, 313000000 caixas, de acordo com a Impact Databank, uma publicação irmã da Wine Spectator, continuando uma queda de 14 por cento desde 2005. A Itália ficou em terceiro lugar, por enquanto, tem visto o declínio do consumo de 21 por cento desde 2005. Na quarta classificada, a Alemanha, a queda é de até 4 por cento, incluindo um aumento de 1,5 por cento ao longo de 2012, mas com a flutuação do consumo por lá na década passada.

Durante anos, a China tem sido um alvo para os exportadores de vinho. O consumo deste mercado em desenvolvimento subiu 38 por cento em volume, entre 2005 e 2012, enquanto a República Popular experimentava anos de crescimento econômico elevado, tornando-se o quinto maior mercado. Mas em 2013 viu a primeira recessão em anos, uma redução de 6 por cento a partir de 2012, para 187 milhões de caixas. Uma unidade de austeridade liderada pelo presidente Xi Jingping e um ceticismo crescente para os preços dos vinhos extravagantes entre a elite da China são consideradas as causas da queda.

Enquanto os EUA não é o principal país em consumo per capita, é agora o único país entre os cinco primeiros que mostrou aumento no consumo de vinhos a cada ano, desde 2000. Globalmente, o consumo de vinhos caiu no ano passado 1,7 por cento, para 2,6 bilhões de caixas, de acordo com o próximo relatório de Mercado de Vinho de  2013 do Impact Databank. Como o vinho continua a cativar os consumidores americanos, os Estados Unidos é o mercado com mais potencial em um futuro próximo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário