terça-feira, 2 de agosto de 2011

Degustadores e sommeliers espanhóis com os dias contados?

Claro que o título do post é apenas um exagero meu, mas estava eu como de costume lendo algumas notícias do mundo do vinho quando me deparei com esta notícia um tanto quanto inusitada. Segundo a revista Decanter, cientistas espanhóis estariam desenvolvendo uma língua eletrônica capaz de identificar e classificar tipos diferentes de cava o que poderia colocar em xeque, ao menos neste campo, o trabalho de degustadores e sommeliers. Eu não acredito em substituição da máquina corpo humano por uma máquina eletrônica ainda mais quando lidamos com sensações, mas de qualquer maneira segue abaixo a reportagem traduzida e adaptada. Evidentemente o avanço da tecnologia é inerente a todos os processos produtivos atuais, mas é claro que o trabalho do ser humano é imprecindível. E para vocês leitores, qual a sua opinião?

Pesquisadores na Espanha estão trabalhando em uma "língua eletrônica" capaz de identificar diferentes tipos de vinhos Cava, e automaticamente produz classificações semelhantes aos usados ​​por sommeliers.
 
O dispositivo, desenvolvido na Universitat Autònoma de Barcelona, ​​será inicialmente usado para detectar falhas no processo de produção cava.

Ele imita o sistema de sabor humano através de uma combinação de ferramentas de medições químicas e técnicas avançadas de software matemático.

Crucialmente, o dispositivo é capaz de quantificar precisamente a quantidade de açúcar após a fermentação secundária durante o processo de produção de vinho cava.

Esta capacidade permite-se classificar os vinhos cava assim como os sommeliers o fazem, desde os de natureza Brut com baixo açúcar residual (tipicamente, menos de 3 gramas de açúcar por litro) para os açucarados e doces (mais de 50 gramas por litro).

Os sommeliers não precisam se preocupar, disse Manel del Valle o cientista líder do projeto, porque a língua eletrônica é mais adequada para testes automatizados em um piso de produção vinícola e não pode distinguir nuances.

"O sommelier será sempre aquele com o tratamento pessoal,  nos restaurantes digamos. Este tratamento pessoal nunca será substituído por uma máquina ", explicou del Valle.

O panorama pode não ser tão brilhante para painéis sensoriais  da indústria do vinho no entanto.

Com sua capacidade de detectar falhas no processo de produção, a língua eletrônica "pode ​​ser um substituto para o painel sensorial utilizado por muitas empresas de bebidas ealimentos", disse del Valle.

A Universitat Autònoma é uma organização separada para o Instituto de Microeletrônica de Barcelona, que estava trabalhando em uma língua informatizado em 2008, que poderia detectar diferentes variedades de uvas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário