quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Susana Balbo Crios Torróntes 2010

É difícil falar em vinhos argentinos e não falar de Susana Balbo, uma das mais importantes enólogas da Argentina e quiçá do nosso Novo Mundo. E é engraçado como, apesar de já ter provado muito vinho argentino, eu ainda só havia provado um único vinho dela. E me aproveitando de todo o calor que fez no final de semana passada em Sampa resolvi apostar em mais um vinho desta grande enóloga, para conhece-lo melhor. Tudo bem que este vinho faz parte da linha de entrada da vinícola, mas tem feito sucesso principalmente no quesito custo beneficio e para quem quer se aventuar pelo mundo vinícola sem medo de errar.

Conforme ela mesma descreve em seu site, a linha Crios foi criada com o intuito de expressar que estes vinhos não "cresceram" o suficiente para alcançar a maturidade e qualidade superior de seus outros vinhos, porém recebe o mesmo carinho e atenção em seu processo produtivo. Ainda por definição, os vinhos da linha Crios são vinhos com maior expressão frutada e foram elaborados pensando em um consumo mais rápido, ainda jovens. A última curiosidade que podemos falar sobre a linha Crios é que em seus rótulos existe uma figura que representa 3 mãos entrelaçadas que além de fazer alusão a um antigo artefato Maia, faz também menção a própria Susana e seus três filhos. Vamos então as impressões.

Na taça o vinho apresentou uma cor amarelo palha com leve tendência ao dourado, com lágrimas finas e rápidas sem cor alguma.

No nariz o vinho abriu com muita lichia e floral, lembrando jasmins, e alguma coisa cítrica. Além disso tinha alguma "picância" no nariz que eu acho vinha do álcool porém não consegui identificar ao certo. Com mais tempo em taça apresentou também mel com própolis e a picância permaneceu.

Em boca o vinho mostrou corpo médio, boa acidez, álcool imperceptível (fiquei confuso com a sensação ao nariz mas não cheguei a uma conclusão) e confirmou frutas cítricas e muita lichia. Final de média duração com um "quê" mineral, deixando o fim de boca seco e salivando, pedindo mais gole. Aliás, a garrfa parecia que tinha água dentro, pois acabou tão rápido!

Um bom vinho, especialmente para o dia a dia e com um bom custo benefício (encontrado na rede Pão de Açúcar em Sampa por R$ 39,00 aproximadamente). Acompanhou um belo filé de Saint Peter ao molho de tomate e camarões sem maiores problemas. Eu recomendo.

Até o próximo!

3 comentários:

  1. Eu gosto muito desse Torrontés com tábua de queijos intermediários. Nada muito forte como Provolone ou azuis. Fica bem com Gouda, Estepe e até Gueyére.
    Experimente...

    ResponderExcluir
  2. Marcelão!!

    Qto tempo, faz tempo que não nos cruzamos em nenhum evento não? Obrigado pela visita.

    Então, não tentei esta combinação ainda mas está na minha lista!! Assim que provar te conto como foi!

    Abraços,

    ResponderExcluir
  3. Pois é, meu amigo. Desde a ExpoVinis estou "no seco" em termos de eventos. Mas, como diria, o filósofo Arnold "I'LL BE BACK" rsssssss.

    Enoabs

    ResponderExcluir